11 de jul de 2016

Tem quem nasce pra vitória,

E quem nasce para a LUTA.

       Eu? "Eu sangro, por mais que você não perceba mais. Que não receba o meu amor da forma que eu posso te dar. Ainda assim escrevo..."  Esse podia ser um texto sobre AMOR, mas hoje em dia o que é o amor?
       Eu não moro num trapiche mas sou órfã. Com medo de olhar o relógio, tentando escapar daqui. Vivendo a vida que era um sonho, e se tornou pesadelo. Enquanto todos e tudo muda, e eu continuo a mesma.


       NÃO DÁ, NÃO DÁ, NÃO DÁ... Já não dá pra repetir os mesmos erros, cansei de viver assim. Cansei de confundir a realidade. Sento-me em um canto escuro, visto meu casco e não pretendo sair! Por todas as manhãs que levantei sorrindo por você - que desejou que eu não acordasse.
       Meus esforços não valem, porque não tem efeitos. Minha vida não tem valor, porque eu sou pobre. E quando a fome chegar, eu meditarei. Aguentei por todos esses anos o INFERNO, o que eu não suportarei? Todos os meus dias são testes, e se quer saber, eu não preciso de metade das coisas que eu não tenho. E quando eu perder tudo, estarei ganhando um novo lugar. Meu espírito é das ruas, não sei o que é ter um lar, todo dia eu tento aceitar que talvez esse seja meu destino. A rua é a mesma de ontem, os temores e os pesadelos não são piores, mas são solitários. Uma vida solitária, por aprender AUTORRESPEITO.
       Sou como um estilete - fácil de cegar, pronta para cortar. Você acha que pode me derrubar? Eu sempre tive minha vida de cabeça pra baixo. Eu trilho numa espiral descendente, dou voltas e voltas. Mas EU CONTINUO VOANDO; Você não pode me derrubar. Não sou aquela pessoa insignificante, acorrentada... Agora sou impossível.

Um comentário:

  1. "Oh, não. Eu sou sou impossível!" <3

    ResponderExcluir